Telefone*
+351928095777
Horário
Segunda a Sexta: 8h-20h

Os saltos altos melhoram a sua postura? Sim, mas…

Fazem-na parecer mais alta, mais confiante, com pernas mais definidas e até uma melhor postura. Há quem alegue que os saltos altos lhe dão tudo isso e muito mais. Será verdade?

Parece razoável atribuir aos saltos altos algum mérito no que respeita à postura. Para além da elegância estética, podem ajudá-la a sentir-se mais atraente, na moda, seguramente mais alta e, por isto tudo, mais confiante.

E é verdade, melhora mesmo a postura… estética

Se tem dificuldade em manter uma postura vertical (como aquelas pessoas que parece que engoliram um garfo), os saltos altos podem ser a solução mais simples e rápida. É o equivalente a andar em bicos de pés. Ora experimente agora se puder. Fica mais alta e, objetivamente, a postura fica mais direita. Os ombros ficam mais para trás, o peito fica mais arrebitado e a cabeça mais direita.

Não é muito diferente de utilizar um colete postural. A postura melhora instantaneamente. A pergunta a fazer é: a que preço?

O custo de usar saltos altos

Uma em cada dez mulheres usa saltos altos pelo menos três vezes por semana, e um terço caiu enquanto os usava. As estatísticas mostram que os salto altos é um dos maiores fatores de risco para problemas nos pés nas mulheres. 33% sofrem de problemas crónicos como resultado do uso prolongado.

Quanto maiores, pior

Se costuma usar saltos altos, prepare-se para problemas de longo prazo. O uso prolongado, com a flexão contínua dos dedos dos pés numa posição não natural pode causar uma série de problemas, desde unhas encravadas até lesões crónicas nos tendões das pernas.

Enfiar os dedos dos pés num sapato estreito pode causar joanetes e lesões nos nervos (neuroma de morton, na imagem). Os saltos altos também têm sido associados sobrecarga e lesões musculares nas pernas, osteoartrite do joelho, fascite plantar e dor lombar.

O mais curioso é, se usar saltos altos há muitos anos, é provável ter mais dor lombar sem os saltos altos do que com eles. Isto acontece porque os músculos da barriga da perna (gémeos) encurtam (perdem flexibilidade) e, quando anda descalça ou com saltos rasos, essa alteração obriga a uma compensação da zona lombar (tem de mexer mais), tornando-se numa zona hipermóvel por necessidade, causando dor.

Neuroma de Morton
Neuroma de Morton

Quando usa sapatos com salto de cinco centímetros ou mais, o seu pé desliza para a frente do sapato, causa pressão adicional e obriga os dedos a estarem numa posição nada natural, para além de colocar 90% do seu peso nessa zona.

O aumento do peso nos dedos faz com que o seu corpo se incline para a frente e, para compensar, inclina-se para trás e “endireita” as costas. Esta postura pode forçar os seus joelhos, ancas e zona lombar. A mudança na posição da coluna exerce pressão sobre todas as estruturas articulares, ligamentares, musculares e nervosas. Isto pode causar dor ciática.

Mais uma vez, é também provável ter este sintoma quando não utiliza saltos altos, pela mesma razão que lhe expliquei anteriormente.

Dor crónica

Tal como usar sapatos de lótus (cultura chinesa) deforma os pés, o uso prolongado de saltos altos pode resultar em dor crónica. Isto não quer dizer que não possa usar saltos altos. Pode utilizá-los na mesma medida das bebidas alcóolicas, com moderação. Pode ser uma saída à noite ou um evento festivo. Será pouco tempo e não vai trazer-lhe problemas.

Tenha em mente que não há juízos de valor neste artigo. A indumentária laboral por vezes exige o salto alto, é uma questão cultural que deve ser revista.

Uma das razões para a dor crónica se instalar tem a ver com a falta de flexibilidade dos tecidos musculares nas pernas. A posição vai provocar um encurtamento dos gémeos, tornam-se menos flexíveis e o resultado é um desequilíbrio crónico que pode trazer lesões como fascite plantar, neuroma de morton, dedos em garra, tendinopatia do tendão de aquiles e muitas outras pela perna acima.

Algumas destas informações seguramente já conhecia. A pergunta é: será que pode (ou deve) usar saltos altos?

Claro que pode. 6 Dicas para não sofrer (tanto) com saltos altos

Estas são as minhas recomendações para continuar a desfrutar dos saltos altos (ocasionalmente de preferência) sem ter os malefícios associados:

  1. Escolha sapatos adequados: Selecione sapatos com salto baixo de 2,5 cm ou menos e uma base de salto larga. Um salto ligeiramente mais grosso distribuirá a carga de maneira mais uniforme (maior base de apoio). Os saltos estreitos (tipo stiletto) fornecem pouco suporte e os saltos de 7 centímetros ou mais podem encurtar o tendão de Aquiles;
  2. Use palmilhas macias para reduzir o impacto sobre os joelhos, e para reduzir os pontos de pressão, principalmente na base dos metatarsos (atrás dos dedos);
  3. Certifique-se que os seus sapatos são do tamanho certo, para que o pé não deslize para a frente, colocando ainda mais pressão sobre os dedos. Escolha um sapato com uma biqueira larga o suficiente para permitir o movimento dos dedos;
  4. Use saltos em dias (ou noites) em que sabe que não vai andar quase nada, ou ficar em pé muito tempo;
  5. Mude o tipo de calçado ao longo do dia ou de um dia para o outro. Não use saltos altos o dia todo, e utilize sapatos mais confortáveis, como ténis, no percurso casa-trabalho-casa;
  6. Mexa-se. Reserve um período todos os dias para mobilizar bem todas as articulações do corpo, especialmente as pernas. Não se esqueça de ativar os músculos, através de exercícios de força e flexibilidade.

Permita-se desfrutar dos seus saltos altos de forma a não prejudicar a sua saúde. Os seus pés são, literalmente, a sua base de apoio. Se não os tratar bem, todo o corpo pode sofrer com isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *